É possível isolar doenças genéticas por meio da reprodução assistida?

A reprodução assistida é usada anualmente por milhares de casais ou solteiros que não podem procriar sem ajuda profissional, seja por defeito no material genético, seja por laqueadura irreversível.

A reprodução assistida é definida como a técnica que envolve especialistas da área médica, para manipular o material genético da paciente com técnicas apoiadas e obter uma gravidez bem-sucedida. No primeiro caso, as doenças congênitas, que podem trazer gametas de ambos os sexos, não são manipuladas.

Entre as técnicas de reprodução assistida mais utilizadas estão:

Fecundação in vitro:

Consiste na extração do material genético do casal ou da família monoparental, para ser fecundado fora do útero e após sua maturação embrionária, para ser implantado novamente na mãe que o gestará até o seu nascimento. O objetivo é que o casal não passe por danos físicos e viva a experiência do método, junto com médicos e profissionais especializados.

Inseminação artifícial:

Os embriões são transferidos para o colo do útero para que a fertilização ocorra. Essa técnica é usada quando um dos dois tem uma dificuldade que impede a procriação por meios naturais. Pode ser a baixa mobilidade dos espermatozoides ou alguma alteração nas trompas de falópio.

reproduccion asistida

Injeção intracitoplasmática (ICS):

Acontece o mesmo que a fertilização in vitro, a única variação é que os espermatozoides são introduzidos diretamente no óvulo por meio de uma microagulha, para que sejam fecundados. Isso ocorre quando o material do homem não tem mobilidade.

Indução da ovulação ou estimulação ovariana:

Ocorre quando a mulher não consegue liberar o óvulo dos ovários, ou eles procedem com baixa qualidade, sendo estimulados com hormônios para que tenham grande possibilidade de fecundação.

metodo ropa

Os pacientes são estudados clinicamente antes de seguirem para o método de reprodução assistida escolhido, se for constatado que um deles tem uma doença com grande possibilidade de transferência para o embrião, é possível que sejam eliminados do material genético fertilizado.

Essa técnica é conhecida como Diagnóstico Genético Pré-implantacional (PGD), em que é realizada uma pequena biópsia, extraindo algumas células do embrião, no terceiro dia de desenvolvimento, para detalhar e eliminar caso ele apresente a mesma patologia dos futuros pais.

Assim, só são implantados os embriões isentos da doença diagnosticada.

As clínicas de reprodução assistida só realizam o exame PGD para pacientes que possuam atestado médico que justifique a análise do embrião. Tudo depende da política que os pacientes seguem para realizar seu sonho de constituir família. Mas geralmente é exclusivo para casais com sinais genéticos. Os casos mais específicos são:

  • Mães com abortos inesperados.
  • Doença genética de um casal, é analisada na história médica ou no exame.
  • Mulheres grávidas com mais de 40 anos.

Este teste só pode ser realizado se o método de reprodução assistida for fertilização in vitro (FIV) ou injeção intracitoplasmática (ICS). Já as amostras são observadas "in vitro" e há um manuseio mais pessoal dos embriões, que são implantados após seu desenvolvimento completo no útero da gestante.

Com esse teste, o sucesso de gestações por essas técnicas aumentou nos últimos tempos. Algumas clínicas optam por não aplicar esta análise, pois a veem contra o curso natural do desenvolvimento embrionário, porém, se o paciente souber da doença por um estudo anterior e não quiser que seu futuro filho a herde, devem se aproximar de um instituição para garantir o estudo das células para evitar a transferência genética.

O mais importante para os pais no momento da reprodução assistida é conseguir uma gravidez saudável a termo.

Pois muitos já passaram por outros tratamentos anteriores ou por uma prática constante em busca do seu planejamento pessoal, sem sucesso. Conectar-se a um centro especializado em reprodução assistida proporcionará a confiança de que precisamos no momento, lembrando que paciência e apoio juntos são princípios que unem o casal para que tudo seja um aprendizado e uma experiência positiva.

Existem centros que contam com equipamentos mais especializados e modernos, o que melhora a qualidade das análises sem a necessidade de interferir no processo interno dos embriões, como sua implantação final. O médico determinará o método de criação ideal para o casal. E se a análise do embrião for necessária, técnicas de FIV ou CSI serão utilizadas.

Sim é possível isolar doenças genéticas para certas reproduções assistidas , são conhecidas como mutações patogênicas e são alterações na sequência normal de células. Esse é o estudo que se analisa nos laboratórios. É importante conhecer a história familiar para ajudar a detectar certos padrões de herança entre gerações.

O planejamento familiar é importante para desenvolver um plano de ação caso seja necessária a reprodução assistida. Nem todas as amostras de pacientes que se submetem a esses métodos são analisadas a menos que tenham base médica, embora por todos os exames médicos, a maioria consiga produzir um bebê saudável e ávido por novas experiências.

Na CELAGEM estamos prontos para realizar seu sonho

Somos especialistas na resolução de problemas de fertilidade, fertilização in vitro ou reprodução assistida. Queremos mostrar-lhe alguns dos nossos tratamentos que têm a sua primeira consulta totalmente grátis.

NOMEAÇÃO GRATUITA

DIAGNÓSTICO ONLINE

É possível isolar doenças genéticas por meio da reprodução assistida?